Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas

 

A relação do indivíduo com o dinheiro nunca foi tão intensa como nos últimos tempos. Infelizmente, a importância dada ao uso consciente dos recursos é mínima. Diante dessa dicotomia, a educação financeira tornou-se um dos principais temas nas discussões internacionais, apontada como instrumento capaz de proteger os cidadãos e embasar suas decisões acerca de consumo, investimento, seguridade e previdência e melhorar os indicadores econômicos de uma  nação. O caso da Coréia do Sul ilustra muito bem o fato: a grade curricular das escolas do país, que recebem cerca de seis vezes mais recursos que as brasileiras, contam com a disciplina de economia doméstica desde o ensino básico, para alunos de 8 a 14 anos. O resultado desse investimento são indicadores econômico-sociais muito melhores que os nossos, como renda per capita, que em 1960 correspondia à metade da brasileira e hoje é três vezes maior; PIB comparado dos dois países, que até o ano de 2014 apresenta uma variação que ultrapassa os 150% e percentual de coreanos que cursam graduação em universidade, que é de 70%, enquanto no Brasil atinge meros 13%.

 

Segundo recomendações oriundas da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (nº9.384/96), a Educação Financeira não é conteúdo obrigatório no sistema de ensino do Brasil. Porém, o Ministério da Educação reconhece que parte dos aspectos referentes à qualidade do ensino são as habilidades essenciais à vida. Nesse sentido, coloca o ensino da gestão orçamentária familiar como necessário ao desenvolvimento de competências para a inserção dos indivíduos na sociedade. Tal ensino atualmente é estimulado pela Estratégia Nacional de Educação Financeira. Essa política de Estado visa à conscientização dos indivíduos a fim de capacitá-los a tomar decisões mais autônomas, através do desenvolvimento da criticidade.

 

Em Juiz de Fora, segundo o Programa das Nações Unidas de Desenvolvimento (PNUD) de 2010, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDHM) para o município era de 0,778, acima dos índices estadual (0,731) e nacional (0,727). Grande parte desse bom desempenho deve-se à educação; segundo o Censo 2010, a taxa de analfabetismo na cidade é de 3,27%, a 3ª melhor taxa dentre os municípios mineiros, ficando atrás apenas de Nova Lima e Belo Horizonte, ambos com taxas de 2,9%. Além disso, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) médio do município vem em constante aumento, saindo de 3,9 em 2005 para 4,8 em 2015. Apesar desse crescimento, a Educação Financeira como parte do programa disciplinar das escolas da região, assim como no Brasil, é quase inexistente, o que abre um espaço importante a ser preenchido na formação básica dos jovens. Iniciativas nesse sentido devem ser incentivadas pelo poder público e executadas pelo setor educacional da cidade. Afinal, cidades, estados e países ricos se fazem com cidadãos educados também financeiramente.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC