Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas

 

A necessidade de encontrar os fatores responsáveis pelo crescimento econômico está cada vez mais presente nas discussões político-econômicas atuais. Dentre os diversos possíveis propulsores do desenvolvimento, encontra-se a capacidade de inovação de uma região. Por sua vez, a teoria econômica aborda o processo de inovação por meio de três etapas: invenção, inovação e difusão. As duas primeiras fases ocorrem de maneira integrada, ao passo que a terceira ocorre do “espalhamento” da inovação gerada para o restante da economia. Com a intenção de analisar a capacidade de inovação dos municípios de Minas Gerais, a Conjuntura Mercados e Consultoria (CMC) elaborou um Indicador de Capacidade de Inovação (INOVA) municipal, usando como referência os dados de 2015.

 

O indicador foi elaborado a partir de dados que descrevem o quanto de esforço está sendo empregado no processo de inovação no município. Tal esforço é medido por indicadores como bolsas de produtividade concedidas a pesquisadores, número de professores e alunos no ensino superior, número de doutores e mestres formados, quantidade de profissionais atuando na área de tecnologia e número de patentes registradas no município. Com base no INOVA, é possível notar que as cidades universitárias apresentam destaque na produção de conhecimento e tecnologia – já ponderada pelo tamanho dos municípios (por 100 mil habitantes) – em relação às maiores regiões do estado.

 

De acordo com o INOVA, Viçosa, Ouro Preto e Lavras foram, respectivamente, os municípios a apresentar maior capacidade de inovação, com recursos em processos de pesquisa concentrados. Em Viçosa e Lavras, a área de produção do conhecimento a obter destaque foi a das ciências agrárias, enquanto que em Ouro Preto o campo das engenharias assume o papel central. No que concerne à Santa Rita do Sapucaí e à Nova Lima, é observado uma convergência em termos de trabalhadores qualificados na área de tecnologia, graças às escolas de ensino técnico e superior nessas regiões. Para Juiz de Fora, a capacidade de inovação mensurada não figurou entre as melhores do estado, principalmente pelo seu desempenho no mercado de trabalho, mensurado pela qualificação da força produtiva no mercado local e geração de patentes. No entanto, a cidade obteve uma boa performance na quantidade de bolsas, discentes e docentes de ensino.

 

Uma vez realizada a inovação, tem-se o início do processo de difusão. Neste ponto, os efeitos não se restringem apenas ao município gerador de inovação, mas espalham-se para toda a região. A partir da inovação, espera-se que sejam observados ganhos diretos de produtividade (produção gerada por unidade de capital e trabalho empregado), principais responsáveis por gerar crescimento econômico e bem-estar social. Cabe destacar, nessa etapa, o papel fundamental dos agentes públicos e privados, que consiste, principalmente, em criar estímulos e condições para que o produto gerado pelo processo de inovação seja inserido em uma espécie de rede de consumo conectada, visando maximizar os benefícios gerados pelo investimento em inovação. Mais sobre isso, em breve.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC