A economia chinesa e os impactos no Brasil

 

 

“A questão”
     Em 2009, logo após a deflagração da Crise do Subprime em 2008, o Brasil passou a ter a China como seu principal parceiro comercial, ultrapassando os EUA e também a União Europeia. Até os dias atuais, tal parceria se mantém consolidada e parece inabalável quando se analisam os fluxos comerciais entre os dois países.
     Entretanto, na última semana, a economia chinesa apresentou dados que, a despeito de ainda indicarem crescimento, demonstram certa diminuição da velocidade de ascensão, fato que gerou certo receio quanto aos impactos na economia brasileira e os caminhos para a retomada do crescimento.


“Os fatos”
- Tendo como base os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), pode-se ter uma real noção da importância chinesa para a Balança comercial brasileira. De janeiro a agosto de 2017, o volume de exportações brasileiras para a China foi de US$ 34,78 bilhões, sendo que tal valor representa uma variação positiva em comparação com o mesmo período do ano anterior de 34%.
- Olhando sob a ótica das importações, o volume é da ordem de US$ 17,13 bilhões, representando uma variação positiva em comparação com o primeiro semestre do ano
anterior de 13,08%.
- No que diz respeito ao saldo da balança comercial entre os dois países, o Brasil é superavitário em US$ 17,66 bilhões.
- Quando se leva em consideração a composição da pauta de exportações, percebe-se um caráter predominantemente primário dos bens. Do total, US$ 30,68 bilhões são correspondentes a essa classificação, o que diz respeito a 88,2% de todas as exportações brasileiras para o país asiático.
- Já a análise da pauta de importações, nos remete a um valor quase absoluto de bens manufaturados, cerca de 97% de todas as mercadorias que chegam ao território nacional provenientes da China são desse tipo de produto com maior valor agregado.
- Os dois últimos fatos abordados acima levantam um assunto complexo em relação aos
benefícios do comércio sino-brasileiro. Especialistas argumentam que os preços extremamente competitivos dos produtos manufaturados chineses, acabam por inibir o desenvolvimento pleno da indústria brasileira e contribuem para a chamada “primarização econômica nacional”. Entretanto tal assunto não será discutido no presente texto de modo mais aprofundado.
- Em se tratando dos dados para a economia chinesa, o setor industrial cresceu 6% até o mês de agosto em comparação com igual período do ano anterior. A expectativa de especialistas era de 6,6%.
- O Preço do minério de ferro para contratos futuros vem apresentando queda no mercado chinês da ordem de 11,69% no mês de setembro. Tal produto corresponde a 20% da pauta de exportações brasileiras para o país. Entretanto a soja, que corresponde a 48% da pauta, vem tendo seu preço para contratos futuros apreciado em 3,78% no mês de setembro.
- Os investimentos em ativos fixos apresentaram alta de 7,8% no primeiro semestre, o ritmo mais fraco desde o fim de 1999.


“O que isso significa?”
     Como foi abordado acima, a economia brasileira tem a China como principal parceiro comercial, assim sendo, uma desaceleração da economia do país asiático poderia trazer sérios impactos no âmbito da demanda por produtos brasileiros.
     Entretanto, como pôde ser percebido, apesar de os dados de agosto apresentarem uma redução frente ao esperado pelas previsões de especialistas, a economia chinesa ainda demonstra um ritmo de crescimento considerável. No que tange às exportações, por exemplo, ainda que o minério de ferro corresponda a 20% de toda a pauta, tal produto não é o principal, cabendo à soja o posto de líder na participação das exportações do Brasil, com uma representatividade de 48%. Dado a conjuntura atual, não se pode esperar uma ascensão do PIB de dois dígitos como visto outrora, contudo a solidez das relações entre os dois países parece apontar para uma trajetória favorável à manutenção do comércio internacional entre ambos e uma balança comercial superavitária para o Brasil.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC