A dívida pública

September 30, 2017

“ A questão”

     No dia 25 de setembro, a Secretária do Tesouro Nacional divulgou o Relatório Mensal da Dívida Pública Federal onde os dados mostram uma alta de 1,87% no estoque da dívida em agosto, passando para R$ 3,4 trilhões. No mês de julho, houve uma queda nominal de 0,48%, passando de R$ 3,357 trilhões em junho para R$ 3,341 trilhões em julho. Segundo o Plano Anual de Financiamento (PAF) – que é o instrumento utilizado pelo Tesouro Nacional para expor os objetivos e diretrizes para cumprir as metas de cada ano - a dívida deve fechar 2017 entre R$3,45 trilhões e R$3,65 trilhões.


“Os fatos”
- A Dívida Pública Federal é aquela contraída pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do Governo Federal, nele incluído o refinanciamento da própria dívida, bem como operações com finalidades específicas definidas em lei. Em relação à forma, o endividamento pode ocorrer por meio da emissão de títulos públicos ou pela assinatura de contratos. Quando os recursos são captados por meio da emissão de títulos públicos, a dívida é chamada de mobiliária, podendo ser ofertada via leilão ou diretamente ao detentor. Quando a captação é feita via celebração de contratos, a dívida é classificada como contratual (podendo angariar recursos também no exterior),
geralmente são firmadas agências governamentais, bancos privados ou organismos multilaterais.
- As variações no estoque da dívida estão associadas a emissões e aos resgates dos títulos. Em agosto, as emissões superaram em R$33,08 bilhões os resgates e em julho o resgate líquido foi no valor de R$33,95 bilhões. Com essa mudança, o estoque alcançou a ordem de R$ 3,4 trilhões. A título de comparação os valores registrados, no mesmo mês, dos anos de 2015 e 2016 foram, respectivamente, de R$ 2,68 trilhões e R$ 2,95 trilhões. Em termos percentuais, houve aumento de 10,07% (entre 2015 e 2016) e 15,25% (entre 2016 e 2017), números extremamente expressivos.
- Outra questão é a apropriação positiva de juros que foi da ordem de R$29,61 bilhões (em termos nominais) no mês de agosto.
- Quanto ao estoque da Dívida Pública Federal Externa, DPFe, (parte angariada no mercado internacional) teve aumento de 1%, fechando o mês em R$117,57 bilhões (US$ 37,36 bilhões). Essa variação ocorreu devido, principalmente, a desvalorização do real quando comparado as outras moedas. Em agosto de 2016, DPFe era de R$ 125,02 bilhões (US$ 38,58 bilhões), e em 2015 de R$ 134,32 bilhões (US$ 36,83 bilhões). Olhando os valores em dólares, as alterações não foram tão grandes.
- Em setembro, o presidente da república sancionou a mudança na meta fiscal de 2017 e 2018. Com isso, o déficit esperado para os dois anos será no valor de R$159 bilhões. Os principais motivos envolvem a lenta recuperação da economia e as quedas nas arrecadações. Nos últimos dois anos (2015 e 2016), o déficit chegou a marca de R$ 111,2 bilhões e R$ 154 bilhões, respectivamente.

 

“O que isso significa?”
     Conforme os dados referentes aos últimos anos mostram, o problema de crescimento da dívida não é algo pontual na economia brasileira assim como as situações de déficit. Dados os resultados primários desanimadores e expectativas de rombos maiores nas contas públicas, devido a mudança na meta fiscal, o estoque da dívida continuará em sua trajetória crescente por alguns anos. Tal fato implica diretamente na razão dívida PIB do país – que é um dos principais indicadores de solvência do setor público – que em julho era de 73,6% se tratando do montante bruto e de 50,2% em termos líquido. Baseado nesses fatores, há ainda a possibilidade de que ocorra o rebaixamento da nota de crédito do Brasil, ou seja, o país passará a ser visto como mais incerto no que tange ao cumprimento de suas obrigações de empréstimos, e, assim, os custos dos financiamentos poderão aumentar (quanto maior o risco de um investimento, maior o retorno requerido pelo emprestador). Tal situação deve ser amplamente discutida uma vez que as decisões tomadas hoje alterarão os resultados dos próximos anos.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC