Apaguem a luz no fim do túnel

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas

 

     Com o intuito de ajudar a resolver o problema fiscal brasileiro, as privatizações recomeçaram. O leilão das usinas de São Simão, Miranda, Jaguará e Volta Grande, que pertenciam à Cemig, garantiram aos cofres públicos R$ 12,13 bilhões (9,73% acima do esperado pelo governo) no último 27 de setembro. E o consumidor, ganhará o que com isso?

     Na década de 90, o mercado tentou implementar um sistema de energia elétrica privatizado. Esse processo foi freado pelo Governo do presidente Lula com base no princípio de que a energia elétrica é um bem público e deve ser um serviço fornecido pelo Estado. Tal entendimento fez com que apenas uma fatia pequena do setor fosse gerenciada pelo mercado, congelando as privatizações. Contudo, em setembro de 2016, o Governo Federal lançou o Programa de Parceria do Investimento (PPI), normatizando o processo de concessões e privatizações para os próximos anos. Entre as medidas, encontra-se a outorga de concessões das usinas hidrelétricas, entre elas as supramencionadas.

     A venda foi motivo de repúdio em vários segmentos. Trabalhadores, organizações e movimentos populares alegam que tais usinas são responsáveis por cerca de 40% da energia gerada pela Cemig, podendo a venda delas acarretar em um aumento das tarifas de energia no estado de Minas Gerais, que hoje já se encontram entre as mais altas do país. Além disso, argumentam que a privatização pode aumentar o número de demissões e diminuir o nível de treinamento dos funcionários terceirizados, tudo em busca de um maior lucro. Afirmam, ainda, que o leilão é contrário à Emenda 50 da Constituição estadual, de 2001, que determina que a venda de empresas públicas do setor só pode ser feita por meio de aprovação popular.

     Segundo nota técnica publicada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), o processo de privatizações costuma ser um mecanismo de controle das contas públicas que, nesse caso, poderá acabar com o protagonismo estatal nacional na operação da matriz elétrica brasileira. A nota esclarece ainda que, em países como os Estados Unidos, Alemanha e em outros locais da Europa, a participação de empresas públicas no setor de energia elétrica está aumentando. Mais uma vez, o país parece escolher a contramão da história, se desfazendo primeiro do que tem de mais estratégico.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC