O que esperar de 2018 na economia juiz-forana?

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas

 

   Muito se tem falado sobre a recuperação econômica brasileira, com redução da taxa Selic, da inflação e com expectativa de que o PIB volte a crescer em 2017/2018. Tais resultados macroeconômicos impactam direta e indiretamente nas economias regionais e, apesar da sensação de crise ainda persistir sobre grande parte da população, para Minas Gerais, no ano de 2017, em relação a 2016, há expectativa de que algumas variáveis chave para a economia do estado, como arrecadação e emprego, fechem com resultados superiores.

   A retomada da economia mineira pode ser observada ao longo de 2017 e, de acordo com previsões para algumas variáveis do Indicador de Atividade Econômica Municipal (IAEM), elaboradas pela Conjuntura e Mercado Consultoria (CMC), espera-se que o ano feche com mais de 69 mil postos de empregos gerados e mais de R$ 2 bilhões arrecadados com IPI e IPVA. São boas notícias, especialmente quanto à criação de postos de trabalho, frente à redução destes no ano de 2017. Tal expectativa, entretanto, não é homogênea no âmbito dos municípios.

 Em nível municipal, espera-se para Belo Horizonte uma ampliação de 3,58% na arrecadação de IPI e IPVA. Já no âmbito do município de Juiz de Fora, as expectativas não são tão positivas. Apesar da previsão ser de que o saldo de empregos em 2018 seja, aproximadamente, 26% maior que em 2017, o prognóstico é de que esse saldo ainda seja negativo. Estima-se também de que a arrecadação em 2018 seja cerca de 1% menor que a registrada no ano de 2017. Tais resultados são de certa forma esperados, dado que, segundo estudos realizados com base nos resultados obtidos a partir do IAEM, Juiz de Fora está isolada economicamente e depende maciçamente do setor de serviços, principal empregador no município.

   Esses números revelam que, por mais que os indicadores macroeconômicos venham apresentando sinais de recuperação, o juiz-forano deve ter cautela, em virtude, principalmente, do tempo necessário para que os impactos de um ciclo econômico nacional atinjam as economias regionais/municipais. O desafio de sair da crise é grande e cabe à sociedade como um todo buscar meios de superá-lo. Um dos caminhos possíveis é promover novos investimentos, principalmente em setores considerados estratégicos, tais como infraestrutura, tecnologia e educação. Tal medida, além de organizar a alocação dos recursos disponíveis, maximizando os benefícios daquilo que já existe, é capaz de reduzir os níveis de capacidade ociosa em setores correlatos e, por conseguinte, de desemprego.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC