Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas

 

     Com a chegada de um novo ano é comum acompanhar nos veículos de comunicação do país diversas informações sobre o que esperar para 2018, seja no âmbito social ou econômico. Em relação a este último, para chegar aos números que tomamos conhecimento diariamente é utilizado o instrumental das previsões, um dos principais dos economistas. A explicação para isso está no benefício oferecido por essa ferramenta, que consiste em sintetizar informações subjetivas e objetivas capazes de facilitar o processo de planejamento.
     Para entender melhor a importância das previsões, é interessante compreender a forma como ela é realizada. A estratégia utilizada consiste na observação e análise de informações passadas somadas à sensibilidade e à experiência do analista. Vale ressaltar que tal discernimento deve ser embasado na teoria econômica. Importante considerar que a incerteza faz parte das relações econômicas, que são repletas de variáveis aleatórias. Portanto, no processo de cálculo das previsões, não são gerados apenas números pontuais, mas fundamentalmente chances ou probabilidades. O erro faz parte do processo e o objetivo dos modelos de previsão é minimizá-lo.
     Existem diversas instituições que se empenham em realizar previsões para a economia, como as financeiras, de pesquisa ou governamentais. Entre elas, está o Fundo Monetário Internacional (FMI), que estimou para a economia brasileira um crescimento de 1,5% do PIB em 2018, influenciado positivamente por um aumento no consumo e safra agrícola e negativamente pelas incertezas políticas. Essa projeção por si só já é capaz de impactar diversas ações realizadas na sociedade, entre elas as decisões de investimento e a condução de políticas econômicas.
     Com isso em mente, é possível compreender a necessidade de se ter números, embasados por instrumentos matemáticos/estatísticos e pela teoria econômica, que auxiliem o planejamento econômico no âmbito nacional. Pensando nisso, nós da Conjuntura e Mercados Consultoria (CMC), realizamos mensalmente previsões para as cinco principais economias de Minas Gerais: Belo Horizonte, Uberlândia, Contagem, Betim e Juiz de Fora. Tais informações são divulgadas, mensalmente, no Boletim de Economia Regional.
     Em síntese, prover informações de qualidade sobre o comportamento futuro de variáveis econômicas de aspecto nacional ou regional significa avaliar o passado e compreender o que pode ser aproveitado e melhorado. Mais do que isso, faz parte de um processo em que se busca sempre melhorar o bem-estar da sociedade em um ambiente de incessante incerteza.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC