Inflação baixa, preços também?

     Após algum tempo convivendo com inflação alta, acima da meta proposta pelo Comitê de Política Monetária, o Copom, o brasileiro viu em 2017 a queda do IPCA, Índice de Preço ao Consumidor Amplo, de forma um tanto brusca. Indicada para fechar o ano entre 3% e 6%, a inflação finou 2017 em 2,95% a.a., menor valor desde 1998, quando foi de 1,65%. Fez-se então necessárias explicações por parte do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, que ajudaram, inclusive, a sanar uma dúvida: se a inflação caiu, por que não sinto no bolso?

 

 

 

O que impacta no índice?

  • O IPCA é o resultado final da média ponderada de 9 sub índices: Alimentação e Bebidas; Habitação; Artigos de Residência; Vestuário; Transportes; Saúde e Cuidados Pessoais; Despesas Pessoais; Educação; Comunicação. A ponderação é feita de acordo com a importância de cada um desses sub índices na cesta de consumo básica dos brasileiros para o IBGE. Atualmente a divisão é da seguinte forma:

  • O resultado abaixo do esperado da inflação foi fruto, principalmente, da deflação apresentada pelo sub índice mais relevante do indicador: Alimentação e Bebidas teve queda nos preços de 1,87%, proporcionada, em grande parte, pela safra agrícola recorde no ano de 2017. O choque positivo de oferta aliviou os preços e fez com que o resultado de baixa fosse consolidado;

  • A alta dos combustíveis colaboraram para a ausência de sentido da diminuição da inflação. Muito presentes na cesta da população, o gás de cozinha e a gasolina dispararam em 2017, principalmente no fim do ano. O botijão de gás teve elevação de 16% em seu preço, e o gás encanado de 11,04%. Já a gasolina, alvo de inúmeras oscilações ao longo do ano, por alteração de valores nas refinarias e até mesmo de greves dos trabalhadores do setor, alcançou alta de 10,32%, enquanto o etanol subiu 3,18%, o diesel 8,35% e o gás veicular 8,19%. Houve ainda a alta de preços administrados, como o da energia elétrica, que subiu 10,35% no período;

  • Além da diminuição de 1,87% no sub item Alimentação e Bebidas, os demais contribuíram com: alta de 6,26% na Habitação; queda de 1,48% em Artigos de Residência; elevação de 2,88% em Vestuário; subida de 4,10% para Transportes; mais 6,52% em Saúde e Cuidados Pessoais; 4,39% a mais em Despesas Pessoais; encarecimento de 7,11% em Educação; e, por fim, acréscimo de 1,76% nos preços de comunicação.

 

Portanto...

     Como dito pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, “inflação baixa não significa diminuição dos preços, e sim que estão subindo menos”. Portanto, após 3 anos de inflação acima da meta do Copom, é normal que ainda haja estranhamento nos preços, visto o pico atingido pela maioria nos últimos tempos. Após o IPCA atingir elevações de 6,41% em 2014, 10,67% em 2015 e 6,29% em 2016, tudo isso em meio ao impulsionamento do desemprego e desaceleração da atividade econômica, é normal que os efeitos da crise ainda batam forte no brasileiro. Em 2018, entretanto, com o início de números promissores da economia do país, há de se esperar que esses efeitos “agradáveis” cheguem a população, acalmando, quem sabe, os ânimos já acirrados em período eleitoral.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC