Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas

 

     Segundo o último Balanço Energético do Estado de Minas Gerais, no ano de 2015, mais de 52% da demanda energética estadual referia-se a fontes renováveis de energia, distribuídas entre solar, eólica, biomassa, biocombustíveis e hidráulica, entre as quais a energia solar e a eólica são as que mais têm se desenvolvido nos últimos anos, colocando o estado em destaque no cenário nacional.
     Contudo, não há grandes instalações de energia solar e eólica no território mineiro. Segundo registros do Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais (PEMC), há apenas duas instalações de geração de energia a partir  os
ventos: um parque eólico no município de Gouveia, pertencente à CEMIG, e a usina Clóvis Ferreira, situada no município de Iturama. No que se refere à geração de energia a partir da radiação solar, o estado de Minas Gerais encontra-se em situação bem mais avançada e, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), é o estado com mais unidades de micro e minigeração, com 5.104 instalações, sendo a maior parte residencial. Cabe ainda destacar que o estado conta, atualmente, com a maior usina de energia solar da América Latina, situada no município de Pirapora.
     O maior desenvolvimento em energia solar deve-se muito ao incentivo governamental recebido pelo setor energético, uma vez que Minas Gerais foi pioneira em fornecer isenção de ICMS para microgeração, de até 75 kW (Quilowatts), e para minigeração, de 75 kM até 1 MW (Megawatts). No entanto, tanto para a energia solar quanto para a eólica, pouco da capacidade do estado é aproveitada, dado o grande potencial que Minas possui, principalmente no Norte e Noroeste do estado, além do Triângulo Mineiro.
     Apesar da posição de destaque do estado quanto à geração de energia eólica e solar, não se pode esquecer das barreiras e restrições existentes para o desenvolvimento desse setor. A instalação de usinas solar e eólica exigem, por
exemplo, uma rede de distribuição de energia próxima à unidade geradora, condições favoráveis de relevo e um grande volume de capital para realizar o investimento inicial. Ademais, destacam-se os impactos socioambientais que podem ser causados, tais como supressão da vegetação, ameaça e perturbação da fauna e, no caso de usinas termossolares, uso excessivo dos recursos hídricos.
     De toda maneira, o governo de Minas deve continuar incentivando o uso de energia renovável, em especial solar e eólica visto o potencial do estado. Promover condições para que os investimentos nessa área se tornem mais competitivos e mais acessíveis ao público em geral, com redução das barreiras fiscais e tarifárias do setor de energia e promoção de incentivos fiscais para aqueles que decidirem empreender no estado é o que se espera de uma Minas Renovável.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC