Páscoa, será que o coelho volta a pular?

 Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

 

     A data comemorativa da Páscoa possui grande apelo na venda comercial de alimentos. Desde o chocolate até os peixes e os vinhos, nesta época a indústria e os varejistas apostam em resultados positivos. Após a redução nas vendas do período em 2015 (-4,93%) e a brusca queda em 2016 (-16,81%), os dados do SPC Brasil e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revelaram que houve recuperação nas vendas em 2017, inclusive para vários outros setores da economia. O aumento de 0,93%, ainda que modesto, teve como principais responsáveis os conhecidos ovos de chocolate, seguidos pelas caixas de bombom e pelos ovos de chocolate infantis. A tímida retomada no ano passado colabora para as expectativas de vendas positivas para 2018.

     A Confederação Nacional de Comércio de Bens Serviços e Turismo (CNC) espera que o crescimento de vendas desta Páscoa gire em torno de 3,5%, movimentando cerca de R$ 2,2 bilhões para o varejo. Em Minas Gerais, uma pesquisa feita pela Fecomércio/MG entre os dias 1 e 6 de março revelou que 76% dos varejistas acreditam que a Páscoa terá resultado semelhante ou superior ao do ano passado, demonstrando confiança maior que em 2017, que era de 74,2%. Os principais motivos para o otimismo são a melhora no cenário econômico e o valor afetivo que a data carrega.

     Já pelo lado da indústria, os fabricantes também foram otimistas em relação à Páscoa deste ano e trataram de formular estratégias em busca de bons resultados. A Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados (Abicab) revelou que as expectativas do setor são de crescimento de até 14% à frente daquele apresentado em 2017. No que diz respeito às estratégias, os fabricantes optaram, no geral, por maior diversificação de produtos e por modelos de preços mais acessíveis, apesar dos reajustes feitos de acordo com a inflação.

     É importante ressaltar que a indústria de alimentos e bebidas tem sido uma das primeiras a se recuperar da crise no país. No ano de 2016, o setor já apresentava sinais de recuperação e, em 2017, os números foram ainda melhores. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação (ABIA), no ano de 2017 o setor faturou R$ 642,6 bilhões e gerou 1,6 milhão de empregos diretos, criando condições para se esperar um bom desempenho em 2018.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC