Complementares perfeitos: escolaridade, universidades e bem-estar

 

Publicado originalmente para o jornal Tribuna de Minas

    De acordo com uma pesquisa divulgada em 2017 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), os brasileiros consideraram escolaridade como fator mais importante para o bem-estar socioeconômico do país. Uma possível interpretação é de que o nível educacional está ligado com a inserção no mercado de trabalho e conseqüentemente, melhora na qualidade de vida. Dada a importância da educação de qualidade, é válido então conhecer o desempenho das universidades brasileiras, já que estas são importantes fontes para a produção de conhecimento e desenvolvimento social e econômico.

     O Ranking Universitário Folha (RUF) de 2017 avaliou 195 universidades brasileiras (públicas e privadas) a partir de indicadores de pesquisa, internacionalização, inovação, ensino e mercado de trabalho. As cinco melhores foram UFRJ, UNICAMP, USP, UFMG e UFRGS. Além disso, também foi elaborado um ranking dos principais cursos do Brasil em termos de ingressantes, que por sua vez considera a qualidade do ensino e a avaliação do mercado de trabalho.

    O índice conta com 23 instituições de Minas Gerais, sendo 13 públicas e 10 particulares. A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) aparece como a 23ª melhor do país e a 3ª do estado, com destaque para o seu nível de internacionalização, o sétimo melhor do país. Esse componente utiliza como parâmetro os números de citações internacionais por docente e publicações em coautoria internacional, o que contribui positivamente com a qualidade do conhecimento gerado internamente.

     Ainda que o sistema público brasileiro vivencie uma crise fiscal, o RUF indica que, em média, 84,18% dos cursos situados entre os dez melhores do país são de universidades públicas. O ranking também revela que Minas Gerais têm ao menos uma universidade entre as dez melhores em todos os cursos avaliados, com destaque para os que são associados às ciências naturais e da terra, em que o percentual é bem maior. Entre os 50 melhores cursos do país, a participação das instituições mineiras é de 14%. Sobre a UFJF, especificamente, na média, todos estão avaliados entre os 35 melhores do Brasil.

     O fato de o brasileiro atribuir à educação o papel de protagonista na determinação do bem-estar socioeconômico possivelmente está relacionado com o desejo de mobilidade social de grande parte da população. Pensando nisso, o desempenho das universidades públicas de Minas Gerais, etapa importante desse processo, pode ser visto como positivo? O que podemos dizer é que de fato há muita qualidade e potencial. No entanto, em tempos de problemas fiscais cada vez mais batendo à porta por todo o país, não há espaço para comodismo.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC