Retrospectiva Macroeconômica 2018

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

     O último ano do governo de Michel Temer teve, como um dos principais objetivos, seguir com a retomada econômica. Guiado por Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central, e, até o meio do ano, por Henrique Meirelles, no cargo de Ministro da Fazenda, o plano continha diversas medidas e algumas mudanças positivas aconteceram. Mas como isso se refletiu na vida do brasileiro? E nos principais índices econômicos?

     A inflação, um dos maiores temores da população, se manteve controlada. Porém, indo na contramão desse índice, o preço dos combustíveis aumentou significativamente, pesando no custo do transporte. O aumento do valor da gasolina e do diesel foi o responsável para, em maio, acontecer a greve dos caminhoneiros, a qual parou o Brasil durante 11 dias, afetando o consumo e a produção do país.

     Outro grande desafio para o governo era reverter o quadro de desemprego. Nesse quesito houve uma pequena melhora em relação ao ano anterior, chegando ao menor percentual de desempregados desde meados de 2016. No entanto, mesmo com esse avanço, o desemprego ainda afeta mais de 12 milhões de indivíduos e continua sendo um dos maiores problemas a serem resolvidos em 2019.

     O dólar, por sua vez, fechou o último ano com valorização de 16,92% frente ao real, sendo vendido, na última semana de 2018, por R$ 3,87. Com tamanha valorização, o dólar mostrou-se um dos investimentos com maior retorno financeiro no ano. A moeda americana variou entre R$ 3,139 e R$ 4,195, sendo esta oscilação tão elástica no período, fator explicado pela guerra comercial entre EUA e China, pelo rumo da taxa de juros americana e, principalmente, pelo período eleitoral e incerteza quanto às futuras reformas econômicas. Mesmo com uma valorização do dólar em relação ao real, o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, fechou o ano com valorização de 15%, sendo a terceira alta anual consecutiva. Um desempenho como esse em um ano marcado pela histórica greve dos caminhoneiros e tomado pela incerteza eleitoral esboça um cenário otimista para o ano de 2019.

    Em resumo, 2018 foi caracterizado por um período de altas oscilações nas mais diversas variáveis para o campo macroeconômico, intimamente relacionadas às crises internas e ao cenário internacional, pressões políticas e populares e, principalmente, às eleições. Como a estabilidade vem sendo retomada gradualmente, espera-se que o novo governo recém empossado tome as medidas cabíveis para o retorno do crescimento econômico, equilíbrio da inflação, redução do déficit primário nas contas públicas e diminuição do desemprego. Na pauta, reformas da previdência, tributária e trabalhista. É esperar para ver.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

February 17, 2020

January 7, 2020

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC