Zona da Mata e sua agricultura cafeeira

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

     Diante do avanço tecnológico e da disponibilidade de recursos no meio urbano, grande parte da sociedade acaba esquecendo a origem e o modo como são produzidos os bens consumidos. Nesse aspecto, um setor de extrema importância é o da agricultura, provendo os insumos utilizados em vários outros setores, sendo largamente demandado internamente e, principalmente, exportado para todo o mundo, representando 46,41% do valor total das exportações brasileiras em 2017, pelos dados do Banco Central. De acordo com a Pesquisa Agrícola Municipal (PAM), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017, Minas Gerais foi responsável por 9,75% de todo o valor da produção agrícola brasileira, com destaque para a produção de café, que representa 57,97% de todo o valor da produção nacional. Diante desta importância exercida pelo estado, é de interesse avaliar as mudanças ocorridas neste setor.

     A Zona da Mata mineira é uma importante região produtora de bens agrícola e, de acordo com a PAM, em 2017 o café correspondeu a 85,05% do valor total da produção agrícola, ocupou 70,1% de toda a área destinada a agricultura da Zona da Mata. Outros produtos também merecem destaque em termos do percentual com relação ao valor da produção total, como a cana-de-açúcar (4,79%), milho em grãos (3,03%) e o feijão em grãos (2,24%). Conjuntamente, a produção de café, cana-de-açúcar, milho e feijão representaram 95,11% de todo o valor da produção agrícola da Zona da Mata mineira, com um valor de R$ 1,914 bilhões. Como comparação, em 2010, esses mesmos produtos somaram R$ 2,24 bilhões, em valores de 2017, representaram 89,75% de toda a produção agrícola da região. A principal diferença entre os anos analisados é que, em 2010, o valor arrecadado na produção do café não era alto como em 2017, o grão de milho e o grão de feijão representavam 17,96% de todo o valor da produção, demonstrando maior diversificação na produção.

     Algumas microrregiões da Zona da Mata merecem destaque. No ano de 2017, em Manhuaçu, Viçosa e Muriaé, a produção de café representou, em média, 75,64% de todo o valor da produção agrícola desses municípios. Para Juiz de Fora, Ubá, Cataguases e Ponte Nova, observa-se que esses municípios ganharam destaque na produção de cana-de-açúcar, feijão, mandioca, dentre outros, demonstrando assim uma produção diversificada e não concentrada no café, mesmo que este represente ainda cerca 25,17% de todo o valor da produção dessas regiões. Para Cataguases, é importante destacar que houve um aumento de mais de 4 vezes em sua produção de café num comparativo entre 2017 e 2005.

     Pelos números, conclui-se que não ocorreram grandes modificações entre os anos de 2010 e 2017. O café continuou sendo aquele que mais arrecada para a agricultura da mata mineira, ainda que com uma produção mais diversificada. O fato indica que a concentração na produção do café deve ser pensada para que se evite a construção de uma dependência do setor agrícola mineiro a apenas um produto e este acabe por não maximizar os ganhos econômicos de sua produção.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC