O Brasil no fogo cruzado entre EUA e China

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

    As duas maiores potências econômicas estão em confronto direto e isso afeta o mundo inteiro. A guerra comercial teve início em 2018, quando Donald Trump anunciou o aumento de imposto para o aço importado, afetando diretamente a China. Como retaliação, os chineses adotaram tarifas sobre US$ 3 bilhões em bens dos EUA. Em dezembro, Trump concordou em suspender as tarifas, o que pareceu ser um sinal de que as coisas estavam se acalmando e a guerra estava perto do fim. Porém, nas últimas semanas ocorreram mais desavenças e o presidente norte-americano anunciou que iria aumentar para 25% as tarifas de importação sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, que logo se pronunciaram e impuseram tarifas sobre US$ 60 bilhões de produtos americanos. Mas como o Brasil está sendo afetado? E quais medidas estão sendo tomadas para nos prevenir desses efeitos?

    Em primeiro lugar, é importante destacar que, por se tratar das duas maiores economias globais, essa guerra comercial faz com que as perspectivas de crescimento do mundo diminuam. Isso porque EUA e China compram menos entre eles e consequentemente também compram menos do restante dos países. O Brasil, por exemplo, sofre diretamente, pois 26% de todas as exportações brasileiras vão para a China e 12% para os Estados Unidos. Dessa maneira, caso essas economias desacelerem, o Brasil terá menos exportações, forçando a diminuir a produção, tendo, por conseguinte, menos riqueza gerada e mais desemprego. Outro ponto importante é que esse confronto causa instabilidade e os investidores tendem a ser mais cautelosos diante desse cenário, principalmente em países emergentes, onde a economia é mais instável. Com menos investimento, haverá menos produção, menos moeda em circulação e menos emprego.

     Em razão do receio e da ameaça existentes, o Brasil, juntamente com outras 37 nações, assinou um documento que foi enviado à Organização Mundial do Comércio (OMC), por entender que o sistema multilateral de comércio é de relevância central para a estabilidade econômica global. Os riscos advindos da guerra comercial travada entre EUA e China preocupam o Brasil, que se sente encorajado pela projeção de crescimento do comércio mundial, publicada pela própria OMC, a realizar a manifestação, além de resguardar o país sul-americano de possíveis futuros prejuízos comerciais reflexos da disputa entre norte-americanos e chineses. As nações que assinaram o apelo pedem para todos os membros da OMC evitarem medidas protecionistas e riscos de escalada, resolvendo possíveis divergências através do diálogo e da cooperação, utilizando, se necessário, a corte suprema do comércio internacional.

     Portanto, a guerra comercial travada entre os Estados Unidos e a China repercute no mundo todo, principalmente pelo fato dos dois países serem as duas maiores economias globais. A briga pelo poder, controle e pela preponderância comercial e econômica tem impacto direto no Brasil, que se vê no fogo cruzado entre as duas potências. O melhor para os brasileiros, considerando o médio e longo prazos, é a solução pacífica entre EUA e China, de modo que ambos cheguem a denominadores comuns, ainda que cedam em parte, a fim de não prejudicar o comércio multilateral e o dinamismo das economias. O documento de apelo para solução do impasse enviado à OMC serve como uma busca por parte do Brasil de se precaver contra prejuízos futuros oriundos dessa desavença. É consenso que ninguém sairá vitorioso ou beneficiado dessa disputa. O mundo inteiro perde. Para o bem da economia mundial, EUA e China precisam entender que podem conjuntamente ceder e continuarem com o protagonismo na dinâmica do comércio mundial. Todos agradecem.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC