Os cortes na educação superior da Zona da Mata e Campo das Vertentes

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

     No final do mês de abril, o Ministério da Educação (MEC) anunciou o congelamento de 30% da verba destinada ao pagamento das despesas não obrigatórias, que seriam as despesas com custeio (contas de luz, água, bolsas acadêmicas, funcionários terceirizados) e com investimentos (obras e compra de equipamentos) das 63 universidades e dos 38 institutos federais de ensino.

     A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), a Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), a Universidade Federal de Viçosa (UFV) e o Instituto Federal do Sudeste (IF Sudeste) tiveram, somando todos os valores, uma redução de R$ 86 milhões, sendo que para as principais universidades as perdas foram as maiores: UFV deixa de receber R$ 30,7 milhões e a UFJF, R$ 23 milhões. Só nas instituições de ensino no município de Juiz de Fora, o corte de recursos atinge o montante de R$ 36 milhões, além da redução orçamentária do IF Sudeste, com unidades situadas nos municípios de Rio Pomba, Muriaé, Manhuaçu, Santos Dumont, Barbacena e São João Del Rei, para os quais ainda não há informações precisas sobre o montante contingenciado. Algumas das cidades citadas acima possui o perfil de “cidade universitárias”. Assim, a redução de verbas destinadas às instituições deve gerar efeitos negativos, como diminuição do número de empregos, redução do consumo. De forma geral, pode-se ter contração destas economias locais, já que a quantidade de pessoas e de dinheiro que irão circular nestas regiões deverá ser menor.

     Os resultados desse contingenciamento deverão ser negativos para os municípios, instituições de ensino e, sobretudo, para a sociedade. A Pró-reitoria de Pesquisa, Extensão e Inovação do Instituto Federal Fluminense (IFF) disse ter não a possibilidade de renovação das bolsas de pesquisa para o mês de outubro deste ano, inviabilizando várias das 73 de pesquisas, 45 de extensão e nove de pesquisa-integração. O Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) indicou ter que encerrar as atividades em setembro. A UFJF relatou em nota o corte de alguns trabalhadores terceirizados, paralisação de diversos projetos de pesquisa e extensão dos 575 atualmente existentes e da política de assistência estudantil.

     Diante desse cenário, prevê-se também redução da produção científica das instituições de pesquisa e desenvolvimento da Zona da Mata mineira e Campos das Vertentes. Tal redução associada às perdas econômicas projetadas deve gerar movimentos negativos difíceis de serem revertidos e que podem perdurar no longo prazo na região.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC