Criatividade, insumo importante para o desenvolvimento

  

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

      Recentemente, foi anunciado pelo Ministério do Turismo (MTur) que Cataguases, um município situado na Zona da Mata Mineira, irá concorrer a um lugar na Rede de Cidades Criativas da Unesco. A seleção é realizada a cada dois anos e visa integrar internacionalmente cidades que identificam a criatividade como um fator estratégico para o desenvolvimento sustentável.

     A ideia de usar a criatividade para alcançar desenvolvimento econômico e social define o que é conhecido como economia criativa. Segundo publicação do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), as atividades que compõem essa indústria são baseadas no capital intelectual e cultural e na criatividade que gera valor econômico, ou seja, além de promover diversidade cultural e desenvolvimento humano, geram emprego e renda para a economia.

     O “Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil” elaborado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) apresenta as atividades que formam a cadeia da indústria criativa no Brasil, a saber: Publicidade e Marketing, Arquitetura, Design, Moda, Expressões Culturais, Patrimônio e Artes, Música, Artes Cênicas, Editorial, Audiovisual, Pesquisa e Desenvolvimento, Biotecnologia e Tecnologia da Informação e Conhecimento. Em 2017, o valor estimado da produção total desses segmentos foi de R$ 171,5 bi, o que representou 2,61% de todo o PIB brasileiro. Já em Minas Gerais, o valor estimado para o mesmo período foi de R$ 10,3 bi (1,8% do PIB total mineiro). Assim, é possível observar que a indústria criativa gera renda, tanto em nível nacional quanto estadual.

     Em Juiz de Fora, a cadeia produtiva da atividade criativa registrava 2.025 profissionais em 2017. Isso equivale a um crescimento de 56,86% em relação a 2004 (1.291 profissionais), primeiro ano da pesquisa realizada pela FIRJAN. Na comparação entre os dois períodos, os segmentos que apresentaram maior evolução na quantidade de profissionais foram Biotecnologia (484,62%), Design (102,68%), Publicidade e Marketing (425,45%) e Tecnologia da Informação e Conhecimento (117,57%).

     Vislumbrado o cenário da economia criativa em Juiz de Fora, é possível pensar nessas expansões em determinados segmentos como oportunidades de desenvolvimento local.  No entanto, esse processo exige, em um primeiro instante, que sejam traçadas estratégias que efetivamente unam a criatividade dos indivíduos e empresas com a criação de valor econômico nessas atividades. Além de representar um estímulo à inovação, o fortalecimento da economia criativa leva em conta a questão cultural e, dessa forma, beneficia as particularidades de cada região em prol do desenvolvimento econômico sustentável.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC