Mais Brasil para todos?

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

     O presidente Jair Bolsonaro e o Ministro da Economia Paulo Guedes entregaram no dia 5 de novembro ao Senado Federal um pacote econômico apelidado de "Mais Brasil", que consiste de um conjunto de propostas econômicas bastante ousadas. O governo tem o objetivo de desindexar o orçamento por meio de três emendas à Constituição (PECs). Se os textos forem aprovados, haverá um ajuste das contas públicas em razão da criação de alguns mecanismos que ajudarão a contornar a crise fiscal vivida pelo país.   

     O pacote econômico apresentado contém três PECs: a PEC do Pacto Federativo, a PEC Emergencial e a PEC dos Fundos Públicos. A primeira prevê, entre as principais medidas, que 33% dos recursos da cessão onerosa do pré-sal sejam compartilhados com estados e municípios, sendo que 70% dos recebimentos promoveriam o repasse de R$ 400 bilhões aos estados e municípios nos próximos 15 anos; haverá adequação para gastos em saúde e educação por parte dos entes federativos, com a criação de um piso único para essas contas (hoje a percentagem vinculada com educação e saúde é diferente para cada ente); municípios com menos de 5 mil habitantes e arrecadação própria inferior a 10% da receita total serão incorporados pelo município vizinho. 

     A PEC emergencial diz que haverá "estado de emergência fiscal" para a União quando o Congresso autorizar o desenquadramento da regra de ouro, impedindo dessa forma o financiamento de despesas por meio de emissão de dívida. Para os estados, o estado emergencial entrará em vigor quando a despesa corrente ultrapassar 95% da receita corrente. Nesses casos, mecanismos automáticos de ajuste serão acionados imediatamente, sendo alguns temporários (durante 2 anos) e outros permanentes. Haverá uma trava que impedirá o aumento real no salário dos funcionários públicos e a criação de benefícios tributários, além de outras medidas que ajudem a garantir a sustentabilidade das contas públicas. Projeta-se que essa PEC abra um espaço no orçamento de R$ 26 bilhões já em 2020. 

     A PEC dos Fundos Públicos prevê que os 281 fundos públicos no orçamento com R$ 220 bilhões em recursos parados sejam usados para abatimento da dívida pública e que possíveis novos recursos sejam utilizados nos programas de erradicação da pobreza. 

     A extensão das alterações propostas nas PECs inviabiliza sua exposição completa neste texto. Entretanto, é importante frisar os impactos de modificações tão profundas na forma como governos estaduais e municipais administram seus orçamentos e lidam com situações de emergência atualmente. A PEC Emergencial tem como principal objetivo aumentar o nível de investimento: 25% da economia feita com a ativação das medidas temporárias e permanentes que afetam pensionistas, beneficiários e funcionários públicos deverão ser destinados a investimentos em infraestrutura. Já a PEC do Pacto Federativo terá implicações principalmente em pequenos municípios, nos quais hoje existe um grande número de famílias em estado de vulnerabilidade social. As regras para a extinção de municípios pequenos, entretanto, devem estar bastante claras, além de bem planejadas, para que a população não sofra com piora nos serviços públicos nos municípios hospedeiros. Estamos esperando para ver.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

November 12, 2019

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC