O vislumbre do setor de serviços em 2019

March 24, 2020

 

Com a divulgação dos resultados de crescimento de 1,1% economia brasileira em 2019, o setor de serviços voltou a receber mais destaque nas pautas de discussão econômica, principalmente, devido ao crescimento de 1,3% no ano, auxiliando no crescimento do PIB, mesmo que na casa do 1%.

 

Para apresentar um parâmetro dos setores de serviços no ano de 2019, pode-se recorrer aos dados da Pesquisa Mensal de Serviços do IBGE de dezembro de 2019, no entanto, a metodologia da pesquisa não inclui as estatísticas das atividades: serviços prestados às famílias; serviços de informação e comunicação; serviços profissionais, administrativos e complementares; transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio; outros serviços; junto com as atividades de comércio, conforme é feita a divulgação da categoria no Sistema de Contas Nacionais Trimestrais.

 

Portanto, conforme os resultados na série com ajustes sazonais, o volume do setor de serviços fechou o ano com um crescimento de 1,0%, resultado que interrompeu quatro anos seguidos de estagnação do setor na série com ajustes sazonais (em 2018, por exemplo, o resultado foi de 0,0%). Contudo, vale destacar que o crescimento do volume no ano foi puxado pelo crescimento dos três primeiros trimestres, visto que no quarto não houve crescimento (0,0%).

 

No que diz respeito à variação do volume das atividades participantes da pesquisa, das cinco atividades de divulgação, apenas a categoria transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio registrou uma redução na série livre de influências sazonais no ano (-2,5%). Já o maior crescimento das atividades foi da categoria outros serviços (5,8%), seguida por: serviços de informação e comunicação (3,3%), serviços prestados às famílias (2,6%) e serviços profissionais, administrativos e complementares (0,7%).

 

Ainda analisando a série de volume de serviços com ajuste sazonal, somente 13 das 27 unidades federativas apresentaram crescimento em 2019. Sendo assim, pelo lado dos estados que obtiveram crescimento, as unidades federativas de maior destaque em suas respectivas regiões foram: Amazonas (+3,9%), São Paulo (+3,3%), Mato Grosso do Sul (+3,2%), Maranhão (+1,7%) e Santa Catarina (+1,2%). Por fim, os destaques negativos de cada região ficaram com: Mato Grosso (-7,1%), Acre (-7,1%), Alagoas (-5,5%), Paraná (-2,3%) e Rio de Janeiro (-0,5%). O estado de Minas Gerais permaneceu estável, fechando o ano com uma variação de 0,1%.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes

February 18, 2020

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC