Rombo fiscal: a conta pesada da Covid

 

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

A pandemia do novo coronavírus e a necessidade de mitigar os seus efeitos continuam afetando a situação fiscal do Brasil. As contas públicas permanecem fortemente condicionadas pela calamidade sanitária, ao passo que as receitas diminuem por conta da retração da atividade econômica e das desonerações do pagamento de tributos. De forma simultânea, as despesas sobem muito para tentar contornar os efeitos sobre a renda da parcela da população mais vulnerável, além dos gastos com o sistema de saúde e os destinados a pequenas empresas. 

 

O déficit primário do governo central projetado para o ano de 2020 pelo Relatório de Acompanhamento Fiscal de junho deste ano da Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado Federal passou para R$ 877,8 bilhões. A projeção é impulsionada pelo aumento dos créditos extraordinários editados para financiar as medidas de combate à pandemia, no total bruto de R$ 487,3 bilhões. 

 

Desse total de R$ 877,8 bilhões do déficit primário, a IFI projeta que o impacto fiscal das medidas de mitigação sobre os efeitos do coronavírus poderá chegar a R$ 601,3 bilhões. A maior parte desse valor estará concentrada nos gastos para ajuda aos trabalhadores: R$ 338,8 bilhões, sendo que só o auxílio emergencial responderá por R$ 308,8 bilhões. Algumas decisões a serem tomadas pelo governo central, como a prorrogação do auxílio emergencial por mais alguns meses, e as desonerações relacionadas aos pagamentos dos tributos para os próximos anos podem aumentar ainda mais esses números. 

 

A IFI ainda projeta que a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) deve encerrar 2020 em 96,1% do PIB, algo em torno de R$ 6,5 trilhões, sendo este valor superior à projeção anterior (do mês de maio) em 9,5 pontos percentuais. O aumento da relação dívida/PIB pode ser explicado pela piora das estimativas para o déficit primário do setor público consolidado combinada com a própria deterioração do PIB. Para os próximos dez anos, a dívida poderá crescer até 117,6% do PIB, atingindo 100% já em 2022. 

 

As projeções econômicas e fiscais, portanto, indicam que será muito importante retomar a agenda da sustentabilidade fiscal e do ajuste das contas públicas a partir de 2021. Caso isso não ocorra, a frágil recuperação esperada para o ano que vem poderá ser prejudicada pela necessidade de conter o aumento da percepção de risco e da alta do dólar. A resposta acabaria gerando a alta dos juros, causando prejuízos à dinâmica da dívida pública, que estará cerca de 20 pontos percentuais do PIB acima do nível de 2019, além de mais curta e indexada à Selic. O rombo das contas públicas será gigantesco. O ônus da pandemia é altíssimo e, quando tudo passar, ainda teremos essa conta para pagar. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC