A emblemática retomada da economia mineira

Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

 

Após meses lidando com a recente crise do coronavírus, que apresenta notórias
consequências sanitárias e econômicas, surge o questionamento: como lidar com uma
atividade econômica que já vinha em lenta recuperação e agora é travada pelas novas
circunstâncias impostas pelo vírus?

 

Desde março deste ano, quando iniciadas as medidas de combate ao covid-19,
assistiu-se a uma parcela considerável da população vivendo o desemprego ou perdendo parte de sua renda. A queda na renda atingiu rapidamente o comércio pela inevitável queda no consumo e na confiança de famílias e empresas. No setor industrial, há um aumento significativo da inadimplência de clientes e quedas de faturamento. Em abril, a FIEMG havia projetado, em pesquisa, uma perda de 5,3% para o ramo industrial em Minas Gerais, número superior ao projetado para o país, de 4,9%. Outro ponto relevante nesse cenário é a situação fiscal mineira. Dados da Secretaria de Estado da Fazenda apontam o déficit fiscal do estado, que era estimado em 13,3 bilhões de reais, saltar para 20 bilhões de reais.

 

No meio de tantas incertezas estabelecidas, governos e prefeituras se veem
enfrentando o desafio de lidar com a pressão por medidas de recuperação econômica e com o avanço da pandemia do país. Em Minas Gerais, a iniciativa do governo do estado consiste hoje no programa Minas Consciente. O projeto resume-se na estruturação da atividade econômica em 4 categorias, as chamadas “ondas”. A onda verde consiste nos serviços essenciais, e as ondas branca, amarela e vermelha seriam, respectivamente a primeira, segunda e terceira fases da abertura comercial. A classificação das fases é determinada pelo risco de contaminação que a atividade apresenta, visando prolongar a retomada de atividades que apresentam alto risco de disseminação da doença. Sendo assim, a preocupação mais latente é a saúde dos mineiros. Apesar de apresentar um número de mortes menor se comparado a outros estados, Minas Gerais não deve esperar uma retomada completa de suas atividades em um curto período. Conforme as declarações do governador na última semana de junho, o lockdown não deixa de ser uma opção para as áreas com índices elevados de casos de coronavírus.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC