Os desafios da educação no isolamento social

 Produzido originalmente para o jornal Tribuna de Minas.

 

A educação mundial vive um momento inédito em sua história. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), no mês de março de 2020, 165 países fecharam suas escolas devido às políticas de distanciamento social decorrentes da Covid-19. Diante a deste cenário, a velocidade dos fechamentos das instituições de ensino promoveu um desafio sem precedentes na educação, o que levou escolas e universidades a buscarem alternativas de educação a distância.

 

Trazendo a mesma discussão para a conjuntura brasileira e, mais especificamente, para Minas Gerais, o governo do estado tem tentado criar soluções para amenizar os impactos da pandemia na educação, as quais variam desde envio de materiais com conteúdo e tarefas a aulas virtuais e transmitidas pelas TVs locais. Entretanto, vale ressaltar que, mesmo com a construção de diversas medidas para atender às demandas dos jovens mineiros, cerca de 700 mil alunos ainda não terão acesso às alternativas de ensino a distância do governo, consoante dados da Secretaria de Estado de Educação de Minas (SEE-MG).

 

 É importante destacar que a SEE-MG tem conhecimento de que, mesmo com a ampliação das alternativas, não será possível alcançar todos os alunos de escolas públicas. Isso se deve ao fato de que, 39% dos estudantes de escolas públicas urbanas não possuem meios de acesso à internet, como divulgado pela pesquisa de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) com foco na educação em 2019. Além disso, o modelo de aula transmitida pela TV enfrenta o fato de que o sinal da emissora escolhida chega a apenas 186 dos 853 municípios do Estado, o que representa uma cobertura de 22% das cidades de Minas Gerais.

 

O resultado do quadro educacional do país sucede muito além dos prejuízos econômicos, visto que se depara com um problema antigo do sistema educacional brasileiro: evasão escolar. A pesquisa “Juventudes e a Pandemia do Coronavírus” realizada pelo Conselho Nacional da Juventude (CONJUVE), em parceria com Em Movimento, da Fundação Roberto Marinho, contou com a participação de 33.688 jovens, dos quais mais de 30% dos que responderam ao estudo pensam em deixar a escola depois do fim da pandemia. Além disso, entre os que planejam fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), principal forma de acesso às universidades públicas do país, 49% já pensaram em desistir. Dessa forma, nem sempre as medidas adotadas são eficientes aos olhares dos mais prejudicados, os alunos.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC