O Banco Central e a arte de antecipar o futuro no meio da incerteza

A economia brasileira se encontra no estágio final de um longo ciclo de cortes em sua taxa básica de juros (Selic), a qual atingiu sua nova mínima histórica de 2% ao ano (a.a.) durante o último encontro do Copom, nos dias 4 e 5 de agosto. Para a tomada de decisão, foram considerados o ainda elevado nível de ociosidade na atividade econômica e o ambiente de incerteza causado pela pandemia, que pode promover uma recuperação mais lenta que o esperado, justificando o aumento do estímulo monetário.

 

Por outro lado, a possibilidade de agravamento da situação fiscal no longo prazo pela não aprovação das reformas econômicas propostas e a existência de diversos estímulos de crédito lançados pelo governo para incentivar a recuperação da economia, via retomada da renda, podem causar uma pressão para a subida de preços maior que o esperado, reduzindo o espaço para cortes adicionais na Selic.

 

No entanto, o elevado grau de estímulo monetário ainda não foi suficiente para fazer a trajetória da inflação convergir para o piso da meta proposta de 2,5% neste ano, apesar de uma recente melhora nas projeções para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo o último Relatório Focus, divulgado em agosto, o IPCA encerrará o ano de 2020 em 1,77%, frente aos 1,63% previstos há quatro semanas. Tal cenário somado à falta de espaço remanescente para a redução da taxa de juros fez o Banco Central (BC) considerar a adoção de um novo instrumento para a política monetária: o Forward Guidance.

 

Esse instrumento também conhecido como “prescrição futura” surgiu no Japão após o estouro da bolha de ativos nos anos 1990 e foi replicado em diversos países sobretudo após a crise internacional de 2008. O lento processo de recuperação dos mercados após o episódio citado gerou um caráter recessivo na economia, levando a um quadro de queda generalizada de preços e elevação do desemprego, obrigando o país a aumentar cada vez mais o grau de estímulo monetário na economia. Quando a taxa de juros chegou a zero, o Banco do Japão assumiu o compromisso de mantê-la nesse patamar até que o comportamento dos preços voltasse ao normal e a economia reagisse. O resultado foi a ampliação do efeito das políticas anteriormente adotadas.

 

A ferramenta, portanto, consiste em uma estratégia de comunicação por parte do formulador da política monetária com o mercado, onde o primeiro precisa fazer uma promessa crível de manutenção das taxas de juros em patamares reduzidos por um prazo pré-estabelecido ou até que determinadas condições econômicas sejam atendidas, visando reduzir o grau de incerteza no mercado e estimular a realização de novos investimentos para a retomada da economia. 

 

Há um claro comprometimento por parte do Banco Central brasileiro de manter a taxa de juros em 2% a.a. enquanto a inflação não convergir para a meta estipulada. A instituição também sinalizou que a Selic ainda poderá ser reduzida dependendo do ambiente econômico. Deste modo, caso o BC mantenha sua promessa por meio de uma política crível e transparente, a nova aplicação do Forward Guidance será um cenário extremamente raro no Brasil: país acostumado a conviver com altas taxas de juros devido ao seu passado inflacionário.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga no Facebook
  • Facebook CMC